'Bonequinha de Luxo', por Monicky Araújo / Defina Cine #4

Também te amo, Audrey.


“Este é um daqueles filmes que não tem a intenção de fazer uma revolução, fomentar uma grande ideia ou desenvolver uma nova teoria de vida. Tem a intenção gigantesca de mostrar a arte do cinema e por isso mesmo é um clássico. É um filme que mostra a vida, apesar dos seus transtornos. Com singularidade e uma beleza indescritível, Audrey Hepburn dá vida à personagem principal, que é ‘uma farsante verdadeira’ e encanta todos que estão à sua volta numa constante busca pelo local que sinta como o seu lar.

A beleza do filme está no retrato que faz das bonequinhas de luxo, acompanhantes que, assim como as gueixas, entretém homens e proporcionam festas, sem dar-se ao trabalho de ter alguma relação maior que uma companhia para jantares. Audrey é o retrato de uma mulher que não consegue a vida que sempre sonhou, mas que não desiste e acha que a mágica de uma vida perfeita vai acontecer a qualquer instante. O padrão de felicidade dela é medido e intensificado pelo seu literal Breakfast at Tiffanny’s”.

BONEQUINHA DE LUXO  (Breakfast at Tiffany's, 1961). Dirigido por Blake Edwards, com roteiro de George Axelrod, baseado na obra de Truman Capote. Elenco principal: Audrey Hepburn, George Peppard e Patricia Neal.